Buscar
  • Adnan Brentan

Como manter a energia na trilha?

Atualizado: 20 de Ago de 2021

Como ter boa energia para realizar as coisas que amamos?


Fisiologicamente a resposta é relativamente óbvia. É uma questão química. Você come, retira a energia disponível nos alimentos, acumula ela no seu corpo em forma de glicose ou gordura (que poderá ser convertida em glicose) e a usa quando necessário. Para se manter funcionando o seu corpo faz isso o tempo todo, pois todos os processos metabólicos consomem energia. Até pensar e sentir consomem energia. Mesmo o cérebro é um grande consumidor de energia. E achamos que (simplificando muito) basta ter energia no corpo para realizar as ações que desejamos.


Mas vou contar um breve episódio que ocorreu com um grupo que treinei para, em um único dia, conquistar o famoso Pico Paraná, ponto mais alto do sul do Brasil realizando sua subida e descida num período de 12 horas. Aqui é preciso abrir um parênteses: Embora muitos tratem esta façanha de forma ordinária, é sim um desafio de respeito. É preciso estar bem preparado física e psicologicamente, pois além do considerável ganho de altitude (1.400 metros de desnível acumulado), também é necessário ultrapassar centenas de pequenos obstáculos no caminho e alguns deles em paredes mais verticais que vão, inevitavelmente, gerar algum medo. Há uma grande demanda de energia para realizar esta proeza.



Foram poucas horas de sono, pois precisamos acordar às 03:30 da madrugada para iniciar a ascensão antes das 06:00 (e assim foi). Mantivemos bom ritmo e mesmo parando algumas vezes para rápidos descansos, para alimentação, idas ao banheiro, para apreciar a paisagem e fazer fotos espetaculares (o dia estava lindíssimo) gastamos 6 horas e meia para, com muita alegria e disposição, atingir o cume principal e o sonhado ponto mais alto do sul do Brasil. Fizemos uma pausa maior (1 hora e 15 minutos) e iniciamos nossa descida, também muito desafiadora e também com alguma subida. Importante frisar que até este momento já houve um grande gasto energético, mas mesmo assim é necessário determinação para vencer todo o trajeto novamente só que desta vez predominantemente descendo. E assim foi com todos os quatro participantes demonstrando perseverança exemplar por todo o caminho.


Mas houve um momento, em especial, após já quatro horas de retorno, que resolvi puxar mais o ritmo para que pudéssemos presenciar um almejado e lindo pôr do sol fora na mata no Morro do Getúlio (Piolho). E as aventureiras que me acompanhavam, já cansadas, hesitaram um pouco com a nova demanda de esforço, mas algo extraordinário aconteceu: Quando alcançamos o cruzo principal da trilha com as placas indicadoras dos rumos para as principais da região, alertei que conseguiríamos contemplar o pôr dos sol conforme desejado por todos. A partir daí literalmente começamos a correr com nossas mochilas nas costas para poder aproveitar o maior tempo possível o lindo espetáculo.



Sim, após uma noite mal dormida e mais de 10 horas de trilha puxada estávamos empolgados e correndo! Alcançamos o Morro do Getúlio e pudemos apreciar demoradamente o magnífico espetáculo. Vozes firmes, faces iluminadas, corpos vigorosos, sorrisos brilhantes, corações cálidos e mentes serenas.



Dali foram mais 60 minutos para terminar a exigente trilha.


E como terminou o grupo? Entusiasmado e sereno!


Para que este relato? Acredito que é evidente que preparação e treino contam muito para grandes conquistas e para realização de sonhos, mas há uma outra energia dentro de nós que quando utilizada é capaz de transcender as carências energéticas físicas e até capaz de compensar parte da falta de preparo e treino. Os antigos a nomearam de diversas formas, na medicina chinesa Chi, no yoga, chama-se Shakti, também pode ser chamada de prãna, no ocidente já foi chamada de anima, mas não importa o nome e sim o fato de que esta energia existe e não depende somente das condições físicas. Nós, mesmo muito cansados, ficamos "animados" com a expectativa de presenciar o pôr do sol. Ficamos entusiasmados (grego enthousiasmós, "inspiração divina") ou tomados pelos nossos espíritos e assim transbordamos de energia.


Por isso sempre repito: Tão importante quanto o preparo físico e a experiência é a motivação com qual vamos para as aventuras. Quando "animados", quando entusiasmados, somos capazes de conquistas mais fluídas, mais equilibradas e até mais prazerosas.

O segredo é se abrir para a experiência, abrir a mente e principalmente o coração para a experiência. Quando fechamos nossas mentes ou nossos corações esta energia interna deixa de fluir e nos sentimos "desanimados", cansados, deprimidos, sem energia. Mas há gatilhos internos (e externos) que são capazes de nos arrancar desta escuridão interna e novamente podemos nos sentir energizados e animados para vencer os desafios propostos pela trilha e, na verdade, por qualquer problema ou desafio proposto pela vida.


Aqui recordo mais um incidente que ocorreu na nossa aventura no Pico Paraná. Uma das participantes, (já com seus 61 anos de juventude), restando ainda mais de 2 horas de subida para alcançar o cume, começou a apresentar mais sinais de cansaço e declarou que realmente era a trilha mais difícil e cansativa que ela já havia feito. Eu conhecendo já estas dinâmicas de energia fui mais incisivo com ela e declarei: "Sim a trilha é difícil e não tiro o mérito disso, mas você não deve deixar que a mentalidade de cansaço penetre em você ainda. Temos mais um bom tempo para subir e ainda muito mais tempo para descer, mas te conheço e sei que você é capaz de manter o ritmo, sei que você dá conta! Se você deixar o cansaço entrar, talvez ele não saia mais de você até o fim do dia."

Ela me olhou, ouviu com atenção, e a chispa nos seus olhos estava bem acesa. A partir daí não houve mais menção ao cansaço e ela terminou o dia com muita energia, inclusive, superando em disposição suas companheiras de trilha "mais jovens" em vários momentos.


Relembrando meu querido amigo Joel Câmara que chama esta postura de manter o nosso "fogo primordial". Ele diz que é uma manifestação da divindade em nós e todos nascemos com esta luz chamada “fogo primordial da vida”.



"Se observar com atenção, você vai ver que tem uma quantidade fenomenal de energia ai dentro. Ela não vem da comida nem do sono e está sempre disponível. A qualquer momento você pode tirar proveito dela. Ela jorra e preenche você de dentro para fora. Quando se enche dessa energia, você sente que poderia lutar contra o mundo inteiro. Quando ela flui com vigor, é possível senti-la, em ondas, passando por você. Ela jorra espontaneamente lá do fundo, restaura, recupera e recarrega." Michael A. Singer


Como anda a sua motivação?

Como anda o seu ânimo?

Como anda o seu entusiasmo?

Como anda a sua fornalha interna?


Eleve-se na trilha!




127 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo