Buscar
  • Adnan Brentan

Vale a pena o esforço?

Significado de Esforço:

Mobilização de forças, físicas, intelectuais ou morais, para vencer

uma resistência ou dificuldade, para atingir algum fim.


Em algum momento já nas primeiras aventuras do Gilgamesh algo ficou muito evidente:

Para poder desfrutar das trilhas e dos visuais maravilhosos que encontramos nos ambientes naturais que visitamos temos que, obrigatoriamente, realizar uma boa dose de esforço. Esforço que vai variar de aventureiro para aventureiro, mas que sempre será necessário. É o "preço" a pagar por este privilégio.

Assim, não é por acaso, que esta se tornou uma de nossas máximas: O esforço não é opcional!

Mas vale a pena?

Esta é uma resposta muito pessoal, que depende do interesse

e da prioridade que damos para as nossas conquistas nestas pequenas aventuras.

O problema é que, dependendo da dose de esforço que realizamos, ele pode assemelhar-se e confundir-se com seu irmão o "sofrimento". Quando o esforço é exagerado ele vai ultrapassar a marca do esforço sadio, que é indispensável para nossas conquistas, e tornar-se sofrimento que normalmente é considerado negativo para qualquer ser vivo.

Mas o sofrimento também é muito particular e cada um terá uma tolerância pessoal para a dor que pode suportar para alcançar algo. Neste caso o X da questão é encontrar um ponto de equilíbrio entre esforço e motivação, pois quando estamos motivados nossa percepção de sofrimento é reduzida.

Por isso, na maioria das vezes, antes de começar a trilha, eu brinco dizendo:

Para quem não esta acostumado com as trilhas, principalmente no início da trilha, experimentará um bom desconforto físico. Você vai cansar, você vai cansar, você vai cansar mais um pouco, você vai achar que não vai suportar mas, e em algum momento, normalmente próximo de 30 minutos, você vai cansar de ficar cansado e reagirá e ficará bem melhor.

É claro que que exitem questões fisiológicas envolvidas, mas é inegável que há um umbral do esforço a ser ultrapassado e após isso ficamos psicologicamente mais adaptados e curtimos mais a ascensão ou caminhada. Outra "manha" também conhecida é sobre o último trecho de caminhada, acredito que algo em torno que 5% a 10% do total da atividade. Quase sempre, não importa muito a duração da trilha, seja 2 horas ou 12 horas, no final sempre estaremos mais "acabados", sempre vem a sensação de que a trilha nunca terminará. Na maioria das vezes nos deixamos enganar com o pensamento de que estamos muito cansados, mas a verdade é que sempre conseguiríamos exercer mais uma boa dose de esforço se fosse necessário.

​​

Qual é a melhor preparação física para subir morros e montanhas?

A melhor forma para se preparar para subir morros e montanhas é subir morros e montanhas. Mas se você é iniciante, procure começar por atividades classificadas como para iniciantes. Não só por conta do preparo físico, mas também para poder experimentar-se a si mesmo, saber qual é sua tolerância para o esforço, treinar sua psique para tolerar melhor a impressão de sofrimento. Também a questão da agilidade corporal é fundamental, pois as trilhas são realizadas em ambientes naturais pouco ou nada estruturados que exigem destreza do praticante, exigem boa consciência corporal para realizar movimentos que em nada se parecem aos que realizamos nas atividades do cotidianas.


Mesmo assim, algo importante a ser considerado é que o treinamento, a preparação física e psicológica prévia às aventuras, é um grande aliado. Quanto mais e melhor nos preparamos, regularmente, com outras atividades físicas, melhor será nosso desempenho e menor será o sofrimento para alcançarmos nossos objetivos. Cabe aqui uma reflexão: Se não estamos dispostos a este esforço prévio talvez, na verdade, não temos interesse e motivação suficientes para realizar estas aventuras. E se mesmo assim insistirmos em querer participar de aventuras muito acima das nossas atuais capacidades quem pagará o preço, com uma boa dose de sofrimento, seremos nós mesmos. E a aventura ao invés de ser um prazer, uma fonte de satisfação e de conquista, se tornará um castigo. Sem falar de que quando estamos fazendo a atividade em grupo, o grupo também pagará por isso, com prolongamento desnecessário da atividade.

Acredite, mesmo nós, mais experientes, que fazemos trilhas com frequência, também passamos por desconfortos em todas elas, só que já estamos mentalmente treinados e adaptados ao ponto de, na maioria das vezes, nem percebermos isso.


Se você quer começar a aventurar-se ou se busca aventuras maiores: Prepare-se, pois o esforço não é opcional! (embora o sofrimento, seja)

Esta dica não serve só para as trilhas, serve para qualquer área de nossa vida,

para qualquer conquista que pretendamos realizar.

113 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo